Uma prisão após a 2ª instância sempre foi aceita no Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.